Já tenho mencionado a cadeia planetária que se estende pelo mundo a partir da zona tropical, composta por vários elos, e que nos traz essa bebida maravilhosa a que chamamos Café. A partir de uma fazenda, onde se cultiva o arbusto que produz a cereja que tem no interior um caroço a que chamamos grão de Café, um grupo de pessoas trabalha para que chegue até nós o melhor que lá se cultiva. O Café de especialidade, produzido numa única fazenda, a partir de uma variedade de planta bem determinada, é o resultado de uma extensa, dedicada e delicada também, cadeia de elos, alguns determinantes para a qualidade final. Todas as pessoas envolvidas nesta corrente trabalham sincronizadas, controlando-se entre si, e completamente centradas em atingir padrões de excelência e qualidade, supervisionadas intensivamente pela Specialty Coffee Association. É através do esforço destas pessoas e da enorme variedade de terroirs que chega até nós todo o excelente Café que tanto apreciamos.

Vamos, então, ver quais são os elos principais desta cadeia.

O Fazendeiro

Um excelente Café começa com um produtor cuja família, provavelmente, passou gerações aperfeiçoando a sua abordagem específica para cultivar um Café da mais alta qualidade, com todo o brio, fazendo disso ponto de honra. Desenvolvido a grandes altitudes e em climas seleccionados, anos após o plantio inicial, o produtor cria Café especial e dedica a sua vida a refinar e aperfeiçoar a sua arte. Para o Fazendeiro, a qualidade, e não a quantidade, é sempre o mais importante. O saber fazer é aperfeiçoado ao longo de gerações. Somente Café sem defeitos e colhidos no seu pico de amadurecimento segue para as fases seguintes. Para um agricultor conseguir chamar a si compradores de qualidade, a sua única opção é a qualidade absoluta, para assegurar o lucro que, depois, sustenta a comunidade onde está integrado, o pessoal de apoio, a sua família e as demais comunidades à volta da região.

 

O Comprador de Café Verde

O Café Verde é transferido para o Comprador, geralmente certificado pelas diversas organizações internacionais. O seu paladar está ao nível de um enólogo ou sommelier no mundo dos vinhos, conseguindo identificar e analisar a qualidade do Café com todo o rigor. Atribuir pontuação a um Café é decidir da sua qualidade e se está dentro dos parâmetros exigido pelo standard especialidade. Através de diversos sistemas de teste e prova, o Comprador escolhe o Café que vai incluir na sua oferta, muitas vezes definindo, logo a partida, notas de degustação que vão servir de indicação para posteriores análises e rotulagem. O Comprador de Café Verde tem um papel decisivo na comunicação das informações sobre determinado lote para quem vem depois dele na cadeia de distribuição.

 

O Torrador

O Café Verde chega, então, ao local onde vai ser torrado. Pode ser um local dedicado só a essa actividade ou ser feita mesmo na própria Coffee Shop. A torrefacção de Café é uma arte em si, que requer um alto grau de conhecimento e experiência, para produzir perfis de torra da mais variada especificidade. O Café deve ser cuidadosamente monitorizado durante todo o processo e os princípios científicos de transferência de calor, termodinâmica e química do Café devem ser aplicados com o máximo rigor para garantir os padrão de qualidade que se exigem, e que são elevadíssimos, para o Café de especialidade.

 

O Barista

Quando chega às mãos do nosso Barista, o Café, agora torrado, já passou por três crivos de qualidade. O Barista, que deverá ter um certificado SCA, tendo, para isso, participado durante muitas horas em formação teorica e prática sobre todos os aspectos da arte do Café, é o profissional que garante o resultado final de qualidade que chega ao Consumidor. A sua qualificação passa pela torra e operação de equipamentos, todo o processo científico por que passa o grão até aos perfis de sabor. Se tudo não for concluído correctamente e com exactidão, muito do potencial do grão será perdido. O Barista garante que as promessas iniciais do Fazendeiro são cumpridas na chávena.

 

O Consumidor

O último elo da cadeia somos nós, os consumidores. Sem a nossa devoção e carinho por todos os que nos antecedem, todo o processo seria inútil. O ciclo de vida desde a planta, passando pelo grão, processamento, a escolha, a torra, tudo isto levado a um rigor quase científico, vão de encontro ao que exigimos na nossa chávena de Café, seja qual for a preparação. Procurar a nossa Coffee Shop favorita, o nosso Barista de eleição, a nossa região preferida, escolher entre o melhor, procurar informação, exigir perfeição, este é o nosso compromisso. O de se fazer justiça e agradecer a todos os que contribuíram para o nosso prazer sensorial de degustar a chávena de Café segundo os mais elevados padrões de qualidade. O nosso muito obrigado a todos!