Esta Fábrica foi a primeira Coffee Shop em Lisboa que visitei, Rua das Portas de Santo Antão, por indicação do meu amigo Afonso Gomes, da Academia do Café. Desde aí passou a ser um dos meus locais de referência e onde, geralmente, levo os amigos para conhecerem o assunto em toda a sua plenitude. Aqui, o Café é torrado com mão de mestre e servido com todo o rigor, por baristas que sabem do seu ofício. Hoje, voltei lá com o objectivo de falar com mais detalhe deste espaço acolhedor.

A Fábrica Coffee Roasters nasceu em 2015, acreditando que estava na altura de Portugal conhecer Café de especialidade genuíno. O Café com que trabalham é acompanhado desde a colheita da cereja nas fazendas dos produtores até à chegada dos grãos, verdes, puros, inalterados. Na Fábrica é torrado, criteriosamente, conforme as suas características e finalidade – torra clara para Café de filtro ou torra, ligeiramente mais escura para espresso, garantindo assim o resultado de excelência que se pretende. Os lotes 100% Arábica são adquiridos directamente dos produtores nas fazendas. Algum do melhor Café que já experimentei foi degustado e comprado aqui, sempre recém-torrado, profundo e de corpo cheio. Vendem também todo o equipamento para preparar a bebida em casa, nomeadamente, os populares sistemas Aeropress, V60 e Chemex.

Existe, ainda, uma sucursal na Rua das Flores e a loja móvel Citroën HY Coffee Truck, localizada na Estação do Oriente. Está para breve uma ramificação no Porto.

Internet sem fios não há, sinal de rede no telemóvel é quase inexistente. O lema é: ligue-se ao Café, converse, conviva, leia. Música quando há é densa e pura como o espresso duplo que tomo.

Tudo é feito e servido à vista do cliente. Da cozinha correm acepipes e outra delicadezas que vão a preceito com a bebida servida. Como sempre, infelizmente, e este Blog existe para mudar este estado de coisas, a quase totalidade da freguesia é estrangeira. Existe esplanada no exterior, sempre monitorizada com esmero. Um espresso tomado aqui, vou sempre pela oferta de origem única, vale por mil ‘bicas’ tomadas em outro qualquer lugar. Sempre presente está o meu amigo Henrique Fay de Morais, barista por vocação, que já me serviu de sua lavra alguns cappucinos com latte art memorável. A colossal Probat, ali mesmo à mão, onde o grão de Café é torrado, impressiona pelo seu gigantismo e enigmático olhar. É um espanto observar o seu trabalhar. Perguntem quando é feita a torra e tentem estar presentes para assistir. Vale a pena.

Eis pois um local de visita obrigatória para qualquer amante do Café de especialidade em Lisboa. Por mim, volto sempre!